O Nevoeiro (The Mist - 2008 )


Nenhum dos filmes com adaptações do Stephen King é um verdadeiro fracasso. Algo realmente terrível. Tudo depende do conjunto da obra. Do coletivo. E quando é para adaptar colocando na prática o que especialmente o mestre escreveu, ninguém melhor que Frank Darabont. E em "O Nevoeiro" ele prova isso de forma nítida e gloriosa.

Darabont sabe trabalhar com roteiro. Pois não é à toa que "A espera de um milagre" obteve a indicação de melhor roteiro adaptado, junto com melhor filme, e mais duas outras indicações, mas, infelizmente, ficaram apenas na concorrência mesmo. Assim como "Um sonho de liberdade "que foi mais além com sete indicações, incluindo também "Best movie". E depois desse longa , já está na hora de Frank granjear algo.

"Tem algo no Nevoeiro". King não dá e nunca deu importância ao que ocasionou aquilo ou qualquer outra coisa. A grande Neblina chegando já dá início, logo de cara, a uma história que abusa do psicológico de cada personagem e de seu próprio espectador, pois... O que era aquilo? De onde veio?

Frank e Stephen têm uma excelente química. Isso já foi provado duas vezes. E mais um contando com essa. Ambos, querem manter a tensão, explorar a mente, o medo, pois é o que você não vê que te assusta. A dupla também transfere, como uma demonstração, o caráter do Ser humano perante uns com os outros, as discussões internas de diferentes personalidades ganham destaque. Outra semelhança entre os dois é que gostam de tirar proveito de um único ambiente, como em "Um sonho de liberdade" que praticamente 80% do filme se passa numa prisão, neste caso, o supermercado.

Os efeitos CGI realmente não são dos melhores, mas fica claro que é proposital. Darabont levou para a moda antiga, como um filme que poderia ter sido feito há décadas atrás. E , assim como o mestre, a intenção não é focar os monstros, eles ficam como um caso extra. Um segundo plano.

Assim como a maioria dos trabalhos envolvendo S.K, a história é longa e com isso, obviamente , o filme também fica . Porém, a partir do momento em que você se envolve na trama, o tempo passa e, quando menos se vê , o filme está muito próximo do final. Esta é mais uma semelhança com os outros dois longas dirigidos por Frank em adaptações do escritor. Longos , porém envolventes.

O elenco está, surpreendentemente, ótimo. Thomas Jane trabalha bem.E tem sorte de não ter que exagerar, como Cusack foi obrigado a fazer em 1408. Marcia Gay Horden é a "Personagem King" da história com seus diálogos misteriosos , repetitívos e irritantes, ganhando adjetivo de Louca dentro e fora do filme. E sua encarnação ajuda ainda mais o roteiro , causando conflitos e uma das melhores cenas do longa , a crucificação da "Besta". Além também das qualificadas atuações de Laurie Holden e Andre Braugher.

O Nevoeiro é um filme Perfeito. Souberam assimilar o drama de cada personagem com os conflitos internos, as cenas dignas do gênero altamente tensas e, de certa forma, a religião de forma brilhante. Arrepia e ao mesmo tempo cativa. É agonizante. E o final, mesmo não sendo fiel ao conto, cujo fica em aberto, é de uma audácia incrível. Pode emocionar, ainda mais com uma música muito bem colocada. E mesmo com aproximadamente duas horas de duração, termina com um "gostinho" de “Quero mais”.
.
.
Cotação: ロロロロ ( Filme òtimo )

7 Response to "O Nevoeiro (The Mist - 2008 )"

  1. Um dos melhores filmes de terror do ano. Se não for o melhor. Darabont é o diretor ideal para adaptar uma obra do Stephen King.

    Wally says:

    Todas as opiniões positivas estão me intimidando. Tô me sentindo mal por não ter visto ainda.

    Ciao!

    Ouvi bons comentários sobre esse filme e lendo aqui em seu blog, ai que deu vontade de ver mesmo.
    Gostei!
    Mob Cranb

    Kamila says:

    "O Nevoeiro" é tudo o que um filme de suspense tem que ser. Uma obra agoniante e cujo final me deixou totalmente desconcertada. Gostei muito do elenco!

    thiago says:

    Esse filme é sensacional.

    Excelente filme,excelente comentário.

    Apesar de atrasado, não podia deixar de comentar essa obra-prima. Ninguém faz Stephen King como Darabont. Ele é o cara!, definitivamente. O resultador, além de assustador, é atualíssimo. Um microcosmo de uma sociedade apressada e destruída. Bárbaro!

    Mídia? Cultura? Acesse:
    http://robertoqueiroz.wordpress.com

Powered by Blogger