Violência Gratuita ( Funny Games - 2008 )


“ Abane a cabeça, leitor; faça todos os gestos de incredulidade. Chegue a deitar fora este livro, se o tédio já o não obrigou a isso antes; tudo é possível. Mas, se o não fez antes e só agora, fio que me tome a pegar do livro e que o abra na mesma página, sem crer por isso na veracidade do autor.

.

Machado de Assis,

Em “Dom Casmurro”

.

.

As “estranhas”, e tão questionadas, conversas dos personagens de “Violência Gratuita” com a câmera que direciona ao espectador fazem um filme metalingüístico. Ou seja, uma comunicação direta entre o autor e o leitor, no caso o roteirista Michael Haneke e você, mera testemunha. Machado de Assis e Michael Haneke usaram desse arbítrio para interagir com o público, porém enquanto Assis fazia isso para fazer o observador sentir-se acomodado o diretor austríaco faz totalmente o oposto.

.

Depois da pouca amplitude da versão original no mercado cinematográfico, o diretor Michael Haneke repete a mesma obra-prima, passado seus onze anos, agora em Hollywood. Por ser tudo quadro a quadro, o único questionamento que se pode constatar poderia ser as atuações... Mas nem isso. A guerra é de gigantes, entre o elenco do primeiro “Funny Games” e a versão mais recente, ainda que Naomi Watts nos faça babar com a mescla de capacidade e beleza e o menino Devon Gearhart transmita mais sentimentos do que Stefan.

.

Para Haneke, o espectador existe para ser confrontado. Por isso, seus jogos de cinismo e provocações perturbam alguns desavisados desse “game” chamado “Manipulação”. Outro quesito que decepciona certo público é a busca de um sensacionalismo visual mais violento (ainda mais com o nome que ganhou no Brasil), mas se perdem numa opressão psicológica mostrada da maneira que Michael mais sabe mostrar: o sofrimento da vitima. Não precisando de sangue ou ações mirabolantes para isso. Além de sua câmera sempre intacta em que limita o espaço para o espectador, tornando-se assim um lugar inseguro para o mesmo. Muito semelhante com algo que vimos há seis décadas com Hitchcock, em “Festim Diabólico”.

.

A famosa cena do controle remoto é audaciosa. Enquanto ela ganha alguns fãs, para outras pessoas se torna uma abominação. Antes dela tivemos a metalinguagem de Haneke ao por seus personagens em conversas com a câmera, em que diziam respectivas perguntas sobre o que o público queria realmente ver, sendo assim essa polêmica parte é mais uma em que o diretor mostra que o que queremos (que os vilões se dêem mal) não irá acontecer, mas sim o que ele quer que é nos deixar contrariados. Portanto, rebobinou a fita...

.

E para quem torce pelos vilões?

.

É só olhar o nome do filme. Para quem torcer pelos descarados jogos feitos pelos assassinos, e assim seja vencido por eles, tudo se torna um “Funny Game”.

.

Depois de tentar expor toda a minha boa admiração, por algo que me fez sentir mal, fecho com as palavras desse audaz diretor, sobre este filme: “Eu acredito que o espectador fundamentalmente seja mais inteligente do que a maioria, e para dar-lhe crédito você precisa dá a ele a oportunidade de usar o cérebro.

.

.

Cotação: ロロロロロ (Filme excelente)


8 Response to "Violência Gratuita ( Funny Games - 2008 )"

  1. Alyson, mais uma vez postamos o mesmo filme na mesma época e diferente do que foi a nossa divergencia de opiniões na ocasião passada no caso de "Um Beijo Roubado", concordo plenamente com a sua crítica.

    Talvez o que mais tenha me chamado atenção no texto foi a comparação da execução de obras entre Michael Haneke e Machado de Assis, que definitivamente fazem sentido, apesar de ambas seguirem caminhos opostos na manipulação para com o leitor/ espectador.

    Parabéns pela critica, você é um dos poucos que apreciou o filme levando em consideração seu contexto sutil, continue escrevendo.

    Abraço!

    Wally says:

    Muito interessante ler aqui uma opinião tão positiva quanto a sua depois de passar no Blog do Vinícius e ler uma extremamente negativa. Adoro filmes polêmicos porque, normalmente, eu acabo ficando do lado dos que gostaram. Mas, antes, vou procurar ver o filme original.

    Ciao!

    Kamila says:

    Sinceramente, não sei o que pensar sobre este remake. Parece que ele é um daqueles filmes do tipo ame ou odeie. Como não assisti ao filme original ou a este remake ainda, veremos de que lado eu me posiciono. :-)

    KAMILA,

    Eu já acho que o filme é : entenda-o ou ignore-o

    Devo ir conferir no cinema esse fim de semana. Gosto da maneira como a mente do Haneke funciona. E o Michael Pitt, quando quer, faz um grande cinema. A Premissa do roteiro é ótima!

    Mídia? Cultura?
    http://robertoqueiroz.wordpress.com

    Eu gostei dos filmes do Haneke que assisti, todos muito estranhos: Caché, A professora de Piano e Código Desconhecido. Ainda não vi Funny Games e esse remake, mas quero muito fazer isso.

    Naomi Watts sabe ser uma exímia atriz, mesmo quando o personagem não precisa, ela mostra todo o seu brilho e sua competência, fato marcante de todos os atores australianos.

    opa cara, achei seu blog agora, é realmente muito bom

    esse filme me despeta muita curiosidade

    não sou nenhum grande conheçedor da carreira do haneke e nem vi tanto o seu filme original quanto o remake, mas pretendo e o mais rápido possível

Powered by Blogger