... Até que fura.



Os Agentes do Destino ( 2011)

Sozinho. Em frente uma janela a meia luz, cabeça baixa e olhar triste. De fronte ao público, uma satisfação egocêntrica, um sorriso vivaz e esperançoso. Nos jornais ele é impulsivo, irracional e violento. Vencido. Primeiro num ambiente espaçoso, como um objeto insignificante em meio ao nada. Depois o espaço diminui: um banheiro masculino com toque feminino nos lábios do homem derrotado. Encontro inconveniente. Causado por Deus, destino ou sorte?

Dentre a interrogação acima, o diretor e roteirista George Nolfi baseado na ficção científica de 1954, do escritor Philip K. Dick, de parecê-la que na dúvida dos três itens questionados, a única certeza é que cada um de nós somos controlados pela grande mão da burocracia. David (Matt Damon), jovem recém derrotado em sua candidatura ao senado, conhece inoportunamente Elise (Emily Blunt), numa atração instantânea através de um jogo rápido de diálogos que logo os levam a um beijo, dando inicio a essa intriga na narrativa. No entanto, existe uma organização secreta que parece composta por homens comuns, mas que passam por um estágio sobrenatural, quando vemos que sua função é garantir que as notas preordenadas pelo denominado (mas, nunca definido) “Presidente” sejam exatamente ministradas.

Um dos fatores mais importantes para o espectador acolher a aura da história é perceber o que talvez demore a ficar claro: “Os Agentes do Destino” se trata de uma história romântica em primeira ocasião, que ressoa dentro das armadilhas da ficção cientifica. Esse aspecto é o que faz o filme de Nolfi dar novos ares a escala de obras que saem recentemente, já que essa borda poética aguça, ao invés de debilitar o romantismo. George consegue abrir vantagem na história já nos momentos iniciais, pois mesmo que o casal deixe a sensação em alguns momentos de um sentimento que parece real, mas em outras situações um mecanismo puro, consegue definir cada personalidade rapidamente. Contudo, o talento de Damon e Blunt se mostra claramente de suma importância para que, num ato tão repentino, a predominância de um espaço vago entre os personagens não se tornasse tão evidente e assim prejudicial ao longa.

Aliado a esse caminho que o roteiro toma estão às respostas convictas e bem explanadas que vão sendo servidas de bandeja ao observador, ainda mais quando percebemos que fatores que antes complexavam nossas mentes, estavam respondidos na figura de Terrence Stamp ou nos chapéus que os agentes usavam. Além disso, é agradável ver que Elise é uma mulher inteligente, sinuosa, de olhar penetrante, franca que faz o protagonista ser tão instintivo, que se torna tão submisso a figura secundária. Falando em submissão, outro dado interessante é o acerto da narrativa desenhar os agentes, canais diretos da ficção em meio a história, como seres de poderio limitado que buscam mais a ação perante as palavras, do que a atribuição sobrenatural. Entretanto, George sabe que só tem a ganhar trazendo efeitos especiais.

A produção não teve muito que se preocupar com os efeitos, isso se deve primeiro pela prioridade que dão ao romance, segundo que a freqüência dos efeitos especiais é pouca, mas de extrema eficiência, feita com nítida tranqüilidade pela edição e filmado com precisão. Outro quesito estético de extrema significância é a fotografia de John Toll que trás a história romântica num aspecto frio, denso e que assim se liga mais as intrigas vividas por Norris, do que a excitação do casal. Colaborando com isso está à expressão sempre fechada de qualquer outro personagem que não sejam os principais, mais o design do figurino ao estilo gângster e o som remixado do Jazz clássico “Fever” de Sarah Vaughan.

Incluso nesse mundo fictício-romântico está também toda uma filosofia, usufruindo dos conceitos do determinismo mais os do livre arbítrio. Além disso, Nolfi também reserva espaços para referências e tons de humor bem leves, mas ainda perceptíveis. Mas, por um instante, de pouco adiantou algumas premissas quando o final mostra que mesmo argumentos fortes podem se tornar contrários as próprias razões, ainda que estejam embalados no mesmo pacote, que acaba se contaminando dentro de seu próprio conceito inteligente.

Entretanto, é sugerido que se releve a brochada que se vê no desfecho. Temos que levar em consideração que “Os Agentes do Destino” consegue ser um thriller romântico que ganha um feito bastante notável, nos colocando junto na busca desenfreada de um jovem pela estabilidade com sua amada. Isso, em meio a toda magia da ficção científica, que é a vilã do amor na história, porém o gênero amigável do roteiro para transformar o que poderia ser um desastre numa das obras mais agradáveis do ano. Respeitando o conceito fantástico do texto de Dick, tratando bem a relação entre o homem e os mistérios da vida, mas totalmente imerso no intimo de seu personagem central, que do oco passou ao preenchimento de um romance inconfundível de duas sensibilidades reunidas num só mundo, mesmo que jogados numa realidade controversa e alucinante, sem deixar de ser um ótimo entretenimento.


ロロ ロ+ (Filme Muito Bom)

11 Response to "... Até que fura."

  1. Kamila says:

    Ainda não assisti a este filme, porque ele ainda não estreou na minha cidade. Mas, ele parece ser muito legal e interessante.

    KAMILA, Sim! Legal e interessante são duas caracteristicas que com certeza você achará. Beijos!

    Sem nenhuma curiosidade, eu vejo quando chegar as locadoras.

    CLEBER, Que bom! Tem grande chances de se surpreender então, hehe' Abraço!

    Ahh, não gostei tanto assim.
    Pra mim, ficou a impressão de uma ideia muito interessante que foi executada de maneira menor do que poderia ter sido. O filme poderia ter ido ainda mais fundo, mas se contenta em só apresentar certos assuntos.

    [SPOILER]

    Poderia ter mostrado mais sobre o 1º plano da moça, o plano do Matt Damon. Poderia ter explicitado quem realmente era o moço de chapéu que ajudou os dois. E aquele final não me convence nadinha. Parece um fim preguiçoso como um "Ahh, ok, vamos deixar os 2 juntos, passar uma mensagem bonita e pronto". Quem controla tudo isso? Essa história de "Cada um acha o seu próprio 'criador' dentro de si" parece uma forma rápida de acabar o filme e tentar pegar o espectador. Será que só as portas são caminho? Qual a relação do chapéu com isso tudo? Quem são os chefes superiores? Quantos deles existem no mundo? Qual o plano maior? Acho que o filme fica muito na dimensão do Matt Damon, sem saber as respostas e apenas devemos aceitar tudo isso.

    Enfim. A ideia é boa. Talvez no livro seja assim até. Mas aqui ficou devendo.

    Eu até tinha algumas restrições quanto a este filme, mas após vários comentários positivos decidi que tenho que ver o quanto antes.....

    Abraços!

    Dae Alyson!
    Ainda não conferi "Agente do Destino", mas os envolvidos do filme me chamam atenção, embora a sinopse seja um pouco estranha e talz hehe, mas vou conferir assim que estrear por aqui. Estamos um pouco carentes de filmes de ação não estrelados pelo Liam Neeson que compensam o nosso tempo hehehe.


    abraço!

    VICTOR, Entendo suas dúvidas, mas acho que suas perguntas respondidas no longa não seria vantajosas para o mesmo. Se o filme se trata de um mistério que nem fora do filme, na "vida real" se tem respostas, não tem o porque do filme responder. Abraço!

    BRUNO, no minimo é um filme interessante, veja sim!

    ELTON, hehehe' veja sim e depois quero saber o que achou, claro. Abraço!

    Hugo says:

    Ainda não assisti e estou curioso pela história e o elenco.

    Estou linkando seu endereço no meu blog.

    Abraço

    Estou curiosa para ver essa mistura de sci-fi e romance. Espero que seja bom, pois o trailer não me empolgou.

    Dae Alyson, demorei um pouco pra conferir e passar por aqui, mas o que vale é a intenção hehe.

    antes de qualquer coisa, por que você não atualiza mais o Cine ao Cubo, cara? Seus textos fazem falta na blogosfera. Este, por exemplo, gostei muito da sua introdução. Mais uma vez repartimos a mesma opinião quanto ao filme. Achei "Agentes do Destino" um ótimo entretenimento, história bem amarrada, também gostei que o diretor não empalidece o subtexto romântico para priorizar as cenas de ação. Achei isso bem bacana.

    mas, tenho que fazer uma ressalva ao terceiro ato, que achei beeeem chulé. Muito repentino e insuficiente, mas é aquela coisa do happy ending, então é até aceitável. Nolfi surpreende mesmo por ser seu primeiro filme na condução, não? Olho nesse cara.

    E não posso deixar de mencionar que Emily Blunt é das mulheres mais bonitas que apareceram no cinema nos ultimos anos. Valhe-me Deus! rs. Linda!


    abração!

Powered by Blogger